Já é praxe que as operadoras tenham programas de cuidado com a saúde da gestante no foco das atividades. Segundo o Ministério da Saúde, “O objetivo deste acompanhamento de pré-natal é assegurar o desenvolvimento saudável da gestação, permitindo um parto com menores riscos para a mãe e para o bebê.”

No entanto, os dados no Brasil relacionados a esse acompanhamento ainda estão aquém da expectativa ideal. Recomenda-se que a gestante realize durante todo o período gestacional ao menos 7 consultas médicas. No entanto, segundo o Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM), em 2016 um terço das gestantes brasileiras não atingiram o mínimo de atendimentos. Os dados incluem a rede pública e privada.

A negligência no cuidado da saúde da gestante está relacionada a alguns fatores. Entre eles, à diabetes gestacional, malformação do bebê, diagnóstico tardio de doenças raras, partos prematuros, entre outras complicações. Além da falha com a saúde em si, essa lacuna representa altos custos para as operadoras.

Um parto não preparado está associado a maiores complicações e representa gastos de forma aguda. Estima-se que um único bebê doente prematuro, que precise de cuidados intensivos por 2 a 3 meses, seja capaz de sustentar cerca de 10 programas de medicina preventiva. Portanto, se uma intervenção preventiva for capaz de evitar ao menos um nascimento prematuro, todos saem ganhando. Afinal, a mãe e o bebê ganham em saúde, e a operadora conta com um potencial de economia importante.

Cesariana aumenta custos e riscos para a saúde da gestante

O parto cesariana representa um dos maiores custos para as operadoras relacionados à saúde da gestante. Não tanto pelo custo unitário do procedimento, mas pela grande quantidade de intervenções. Isso porque está relacionado à maior incidência de complicações para a mãe e bebê. Inclusive, a cesariana está relacionada ao aumento da necessidade da permanência do bebê em UTI Neonatal.

De acordo com o Fundo da Nações Unidas para a Infância (UNICEF), o Brasil ocupa o segundo lugar no ranking de número proporcional de cesarianas frente a partos normais. Enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda apenas 15%, no Brasil esse número é de 57%. Na rede particular, esse número se torna ainda maior, com 84% de partos com intervenção cirúrgica.

Os motivos são vários. Um deles, a cultura arraigada desde a universidade, que leva os médicos a priorizarem o parto cesariana. Outro, a maior previsibilidade de tempo que o parto cirúrgico proporciona (um processo natural pode levar até 24 horas). Associa-se, ainda, à falta de estrutura de muitos prestadores para a realização do parto normal. Por fim, a cultura das próprias mulheres, que não são informadas o suficiente sobre os benefícios do parto normal, tanto para elas quanto para o bebê.  

Trata-se, portanto, de uma questão multifatorial. Cabe à classe médica, e às próprias operadoras, reverter esse quadro por meio da informação de qualidade e mudança da cultura do parto cesariano. A boa notícia é que já se observa uma importante movimentação em prol da qualidade da assistência e do crescimento de programas específicos para diminuir essa proporção de partos cirúrgicos.

Como o Dictas ajuda a monitorar a saúde da gestante?

Nesse sentido, o uso do Dictas é capaz de monitorar o acompanhamento da saúde da gestante de forma detalhada. Como interpreta informações sobre os procedimentos já realizados por cada um dos usuários, é capaz de fornecer relatórios comparativos com dados do Ministério da Saúde. Dessa forma, é capaz de atestar se índices como o número de consultas de pré-natal e de partos cesarianos estão satisfatórios ou se ainda precisam melhorar.

Saber essas informações é muito importante para gerir um programa efetivo de prevenção focado em gestantes de alto risco, com doenças crônicas descompensadas e que ainda não tiveram o cuidado necessário.  

Com a realização de exames preventivos, a entrega de saúde às gestantes e aos bebês é muito maior. Além disso, a redução de custos com intervenções que poderiam ser evitadas, também.

Investir de forma mais eficaz

Com dados pouco precisos, em geral, os programas de prevenção de saúde da gestante são feitos de forma intuitiva nas operadoras de saúde. A depender da maturidade do gerenciamento de dados, o risco é não estar investindo onde, de fato, o problema está.

Analisar resultados

Outro grande problema resolvido pela solução é a dificuldade em atestar a eficácia de programas de prevenção. Quando são amplos e pouco direcionados, podem acabar sendo esquecidos e não priorizados no caso de cortes de gastos vindos de gerências superiores. Com o Dictas, fica mais claro o desempenho dos programas quando segmentam-se os números antes e depois das intervenções preventivas.

Dictas e a Qualidade dos Prestadores

Vimos que o Dictas contribui de forma importante para mostrar à alta gestão das operadoras e sistemas de saúde como está o desempenho com relação a essa proporção de partos e a saúde da gestante.

O Dictas também mostra a comparação dessa performance com todas as operadoras de planos de saúde e entre municípios do Brasil. Uma vez que opera com dados de mercado, além dos dados da própria operadora, permite uma análise mais consistente pelos gestores.

Ainda, é importante dizer que esses dados também são fundamentais para comparar a qualidade dos diferentes prestadores – médicos, hospitais e maternidades.

Com os dados analisados pelo software, é possível saber, por exemplo, qual prestador realiza o maior número de cesáreas proporcionalmente, qual o recordista em número de dias de UTI, qual hospital com mais casos de complicações relacionadas ao parto, entre outras informações.

É evidente que esse tipo de informação carece análises mais detalhadas e serve apenas de pontapé inicial para uma discussão sobre melhores resultados e qualidade assistencial. No entanto, a maioria das prestadoras de serviço de saúde sequer sabe esses dados. Ter esse tipo de análise é importante não só para cobrar a prestação de melhores serviços, como também para destacar e premiar os melhores prestadores que realizam um bom trabalho.

Dessa forma, o Dictas atua de ponta a ponta na saúde da gestante. Fornece insights desde a prevenção até a qualidade da prestação do serviço, no momento do parto. Caso queira saber mais sobre como o Dictas funciona, entre em contato conosco!

 

CTA ebook Transformação Digital na Saúde - Tendências

Comentários

blog-dictas